5 destinos para fugir dos dias flat no Surf

5 destinos para fugir dos dias flat no Surf

Confira 5 destinos surpreendentes com excelente custo benefício, para você fugir do mar flat e encontrar a onda perfeita.

1 – Lobitos, Peru

No extremo norte do Peru, o pico tem duas ondas principais: Lobitos e Piscinas. Além dessas, existem outros picos para fugir do crowd, que são Baterias, El Hueco e La Frontera.

Lobitos:É um point break de esquerda bem longo que começa rente às pedras. Funciona de três a nove pés. De setembro a dezembro, possui ondas tubulares devido a bancada estar mais rasa.

Piscinas: Esquerda com fundo de areia e pedra que possui tubos na segunda seção. Funciona o ano inteiro e é recomendada para surfistas de todos os níveis.

Baterias: Point break de esquerda que funciona o ano todo, necessária a experiência intermediária.

El Hueco: Para quem tem o nível de surf mais avançado, é uma ótima esquerda com um tubo grande, mas cuidado com o fundo de areia e rocha com alguns trechos perigosos.

La Frontera: Definitivamente uma ótima esquerda. Em condições adequadas, é um tubo do começo ao fim. O fundo é de areia e rocha com algumas partes perigosas com pedras pontiagudas, exigindo assim, um surf de nível avançado.

2 – Punta Hermosa, Peru

Conhecido como o paraíso do surf do Peru, fica próximo à Lima. O local recebe ondulações boas durante o ano inteiro para todos os gostos, big riders, tube riders e merrequeiros. São mais de 45 ondas espalhadas pela costa e os principais picos são Caballeros, Señoritas, Punta Rocas, KonTike Pico Alto e La Isla.

A paisagem é desértica com muita areia, algumas pedras e praia. O meio de transporte mais utilizado é o tuk tuk, uma moto/carro.

Punta Rocas: Direitas e esquerdas de quatro a dez pés. Nos dias menores, possui ondas de um metro. No canto direito fica o pico para surfar e uma arquibancada feita para os juízes dos campeonatos de surf.

Kontike: Onda localizada no outside entre La Isla e Punta Rocas, funciona quando swell ultrapassa os seis pés. Esquerdas e direitas.

La Isla: Pico para surfistas com experiência, direitas consistentes e fundo de recife de rocas.

Pico Alto: Considerada a Waimea sul-americana, ondas de quinze a trinta pés.

Caballeros e Señoritas: São praias mais desertas com a areia grossa. A primeira é uma direita e a segunda é uma esquerda rápida e perigosa.

3 – Santa Teresa, Costa Rica

A beleza natural do local permanece intacta. Paisagem paradisíaca e qualidade de restaurantes que existem por lá são as marcas do local. A maioria das pessoas que se mudaram para lá vieram da Europa e das Américas em busca de uma vida mais simples junto a natureza.

Além das ondas que funcionam o ano todo, a terra da “Pura Vida” oferece opções turísticas de mergulho, yoga, velejo, pesca ou passeios à cavalo na praia.

O surf em Santa Teresa é melhor na maré baixa quando as ondas tendem a ser mais rápidas. Possui fundo de areia e rochas planas e a ondulação chega até um metro e meio. É indicado para todos os níveis de surf.

4 – Tamarindo, na Costa Rica

A cidade possui um desenvolvimento avançado com fast foods, lojas, bancos, bares e locadoras de veículos. A vida noturna é famosa na região pelo grande número de turistas.

Nos dias flat, existem praias ao norte perfeitas para mergulho e atrás da Voodoo Lounge há um pequeno bowl para quem curte andar de skate.

Os picos são El Estero, Pico Pequeno e La Islã Capitán.

El Estero: Melhor pico para aprender a surfar já que possui ondas calmas no lado esquerdo. Em dias grandes, a ondulação chega a um metro e meio.

Pico Pequeno: Direita pequena quebrando perto de pedras na praia. Algumas vezes por ano, surge um swell que causam tubos perfeitos.

La Isla Capitán: Pico recomendável para surfistas de ondas grandes nas ondulações de nordeste.

Além disso, a região oferece ondas de alto nível como Playa Negra, Ollies Point e Roca Bruja.

5 – San Cristóbal, Galápagos

O arquipélago de Galápagos é formado por 13 ilhas. O pico mais constante é San Cristóbal e a crowd é quase inexistente.

Entre novembro e março as ondas vão dos seis aos dez pés. O calor predomina durante o ano todo e os turistas precisam pagar uma taxa de preservação de 50 dólares ao desembarcar no país.

É aconselhável uso de botinhas devido as bancadas de pedras rasas e perigosas e o kit de conserto de pranchas é essencial já que não há surf shops na ilha.

Os principais spots são Punta Carola, uma parede longa direita que chega aos dez pés, Manglecito, uma esquerda perfeita com a companhia de leões marinhos e El Cañon, outra esquerda longa.

Agora não existem mais desculpas para não pegar boas ondas durante o verão. Está esperando o quê?

 

Tudo que você precisa para o seu surf e a sua trip você encontra aqui na Surf Alive!

Fonte: Welcome

Compartilhar: